Todos os post de Essentia

BURNOUT

BURNOUT

 

BURNOUT.
Você conhece esse termo?
A síndrome de Burnout possui sua principal característica o estado de tensão emocional e estresse provocado por condições de trabalho desgastante, tanto quanto físicas e emocionais.
 
A síndrome se manifesta especialmente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso.
Lembrem-se, nenhum salário vale a sua saúde mental.
Se você não está confortável em seu ambiente de trabalho e não se sente bem para falar, a terapia é uma ótima escolha para a sua vida e bem estar.
familia-em-casa_23-2148166823

Comportamento Parental e a Influência Sobre os Filhos

Neste último mês a revista “Nature Human Behaviour” publicou resultados de um estudo que aprofunda e comprova o que a ciência comportamental infanto-juvenil tem demonstrado há alguns anos.

Um comportamento adequado dos pais em direção aos filhos tem impactos no bem-estar e na saúde mental dos filhos. E estes impactos não são pequenos. Os autores norte-americanos e canadenses avaliaram diversos aspectos relacionados à relação entre pais e filhos, em mais de 13.000 adolescentes e jovens e verificaram que maiores níveis de satisfação na relação entre pais e filhos estiveram associados a uma melhora no bem-estar, menor risco de adoecimento mental, transtornos alimentares, sobrepeso e uso de maconha.
Além disso, maiores níveis de respeito dos filhos para com os pais e frequência regular de jantares em família estiveram associados a um maior bem estar, menos sintomas depressivos, menores níveis de comer em excesso e comportamentos sexuais de risco. 
Este é mais um estudo que comprova a importância da orientação de pais para um cuidado adequado aos filhos. Será que você tem sido um bom pai/mãe? Será que tem agido adequadamente ante aos problemas do dia-a-dia que acontecem com seus filhos?

 

Autor: 

Dr Felipe Pinheiro de Figueiredo 
CRM: 31918 |RQE: 17208  |RQE:17215

 

Trabalho voluntário melhora a saúde mental

Indivíduos com mais de 40 anos que se envolvem com voluntariado têm menos problemas emocionais.

 

Thiago Almeida

Uma pesquisa publicada na revista científica British Medical Journal Open sugere que o voluntariado a partir da quarta década de vida é benéfico para a saúde mental. Em testes que avaliavam bem-estar e estabilidade emocional realizados de 1996 a 2008, os estudiosos observaram que o pessoal com mais de 40 anos envolvido em um trabalho voluntário apresentava notas mais altas do que a turma sem esse costume. No total, foram obtidas 66 343 respostas.

O curioso é que, quanto mais avançada a idade, mais os atos de caridade impactavam na cabeça. Isso ocorreria porque essas práticas estimulam o contato social e oferecem um senso de propósito — dois pontos que às vezes faltam aos mais velhos. Por outro lado, o efeito positivo para o equilíbrio mental não foi encontrado nos indivíduos mais novos. Segundo os experts, as atividades assistenciais sem remuneração seriam vistas apenas como uma obrigação entre parte da população jovem. Mas, com uma mudança de postura, esses momentos têm tudo para ser relaxantes em qualquer faixa etária.

(Fonte:https://saude.abril.com.br/medicina/trabalho-voluntario-melhora-a-saude-mental/)

Como resolver conflitos entre pais e filhos na adolescência?

A adolescência é uma das fases mais difíceis da relação entre pais e filhos, que geralmente travam uma complicada guerra entre quem busca permissão/aprovação e quem proíbe/desaprova. Por conta disso, este período da vida costuma ser chamado de “aborrecência”.

Os pais geralmente se sentem aborrecidos porque é nesta fase que os filhos começam a questionar tudo o que aprenderam durante a infância — desde a forma de se vestir e se comportar, até os valores e visão de mundo. É neste momento que os conflitos começam a surgir: os pais encaram esta nova forma de ver o mundo como desaforo, os filhos são vistos como revoltados e rebeldes e, por não serem compreendidos, a rebeldia acaba se tornando uma realidade.

Nesse conflito, é importante não cometer o erro de tentar encontrar um culpado. Essa é uma etapa nova e desconhecida tanto para pais quanto para os filhos, que devem superar as diferenças sem desgastar a relação familiar. Para evitar brigas desnecessárias, é fundamental ter Inteligência Emocional para administrar os conflitos com consciência.

Inteligência Emocional: como resolver conflitos entre pais e filhos adolescentes

Tenha diálogos produtivos

Uma vez que os pais já passaram pela fase da adolescência, é comum que eles falem coisas como “já passei por isso muito antes de você nascer”. Esta atitude, em vez de demonstrar compreensão, apenas expõe uma interpretação baseada em experiências diferentes e que foram vividas em outro contexto. Pais que respondem dessa maneira impossibilitam que o adolescente reflita a respeito de sua própria vida.

Como trazer consciência à situação: tenha em mente que você não pode tentar proteger o adolescente ou impedir seu sofrimento. Quanto mais você fizer isso, mais ele sofrerá na sua ausência, tornando-se um adulto inseguro e dependente. Portanto, ao falar sobre suas experiências, não se imponha e sempre peça a opinião do adolescente. Levante possibilidades, mas deixe que ele faça as suas escolhas.

Saiba que seu filho cresceu

É durante a adolescência que aparecem os primeiros namorados, e os pais sentem que perderam a atenção exclusiva dos filhos. Muitos pais têm dificuldades de aceitar que o filho cresceu e, inconscientemente, acabam criando regras e colocando limites somente para aprisionar e manter a cria por perto.

Como trazer consciência à situação: perceba se as regras e limites que você está impondo são para proteger seu filho ou para proteger a si mesmo. Lembre-se que o adolescente está na fase de experimentar e descobrir coisas novas, e este processo é muito importante para seu crescimento e desenvolvimento. Portanto, não dificulte as situações.

Seu filho não lhe amará menos porque está namorando, pois essas são formas de amar totalmente diferentes. Além disso, é fundamental confiar no adolescente sem precisar ficar de vigia: quando ele começar a sair, por exemplo, apenas certifique-se de que ele está frequentando um local seguro.

Seja quem você realmente é

Você não é perfeito e, certamente, comete erros, sente tristeza, raiva, medo e tem diversas limitações e fraquezas. Não tente manter a imagem de herói que seu filho enxergava na infância, pois é justamente nessa fase que ele começa a perceber os pais como realmente são: pessoas com todos os defeitos e qualidades. Quanto mais você tentar parecer o que não é, mais o adolescente perderá a confiança em você.

Como trazer consciência à situação: seu filho não deixará de lhe amar porque você comete erros. Comece aceitando suas limitações e suas emoções, sem escondê-las. Fale sobre como você se sente, pergunte como seu filho está e sempre tente lidar com as emoções de forma saudável e construtiva.

Seja exemplo

É muito comum encontrar pais que não largam o celular por um minuto, mas falam para os filhos usarem menos equipamentos eletrônicos. Ou então pais que exigem respeito, mas vivem brigando entre si. Lembre-se que os filhos repetem os comportamentos dos pais, e aquela velha frase “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” só acaba com a sua credibilidade.

Como trazer consciência à situação: observe se suas atitudes estão de acordo com as coisas que você cobra dos seus filhos. As pessoas não mudam com conselhos, mas com exemplos.

Direcione seu foco

Na adolescência a tendência é que aumentem as cobranças em relação aos estudos, amizades, hábitos e à construção do futuro. Nesse contexto, muitos pais acabam criticando, exigindo e cobrando em excesso. Como resultado, estabelecem uma relação rígida, tensa e que deixa as conquistas em segundo plano.

Como trazer consciência à situação: Faça críticas construtivas, sempre explicando suas exigências e cobranças. Jamais utilize frases como “faça isso porque sou sua mãe e estou mandando”. Se houver castigo, explique as razões exatas para a punição. E sempre elogie e reconheça quando o adolescente acerta. Lembre-se: “não fez mais nada que a sua obrigação” não é uma forma de reconhecimento.

Entenda comportamentos e hábitos diferentes

Seu filho está chegando em casa com cheiro de bebida, começou a fumar e tem amizades que você desaprova. Você proíbe que ele faça tudo isso, ele mente. Você descobre e castiga, ele mente ainda mais. Você não quer saber as razões, você simplesmente não aceita e causa ainda mais revolta nos filhos.

Como trazer consciência à situação: Antes de proibir qualquer coisa, converse com seu filho, perceba até que ponto esses comportamentos têm sido prejudiciais e entenda que algumas escolhas do adolescente estão fora do seu controle e fazem parte do aprendizado. Em vez de proibir, converse, respeite as escolhas do adolescente e, se perceber que a situação está saindo do controle, procure ajuda profissional.

Fonte: http://www.sbie.com.br/como-resolver-conflitos-entre-pais-e-filhos-na-adolescencia/

Uma a cada quatro gestantes sofre com problemas de saúde mental

Duas perguntas ajudam a identificar possíveis desordens e garantir equilíbrio para mãe e bebê nessa fase tão importante da vida.

Gestante triste - problemas de saúde mental na gravidez

Apesar de gratificante, a gestação não é um período nada fácil. E para 25% das mulheres, ele pode ser ainda mais delicado, acompanhado de depressão e outros transtornos que afetam a mente. Foi o que mostrou um novo estudo do King’s College London, na Inglaterra.

Os pesquisadores avaliaram 545 mulheres acima dos 16 anos por meio de testes usados no diagnóstico de distúrbios psicológicos ou psiquiátricos. Eles descobriram primeiro uma prevalência considerável de ansiedade e depressão, que atingem 15% e 11% das grávidas, respectivamente.

Além disso, apareceram casos de transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, em 2% das futuras mamães, e outras doenças menos comuns, incluindo os transtornos obsessivo-compulsivo, do estresse pós-traumático e até mesmo o bipolar. Vale dizer que as mulheres não desenvolveram as doenças por conta da gravidez, mas uma coisa está bem ligada à outra, uma vez que problemas do tipo podem interferir na saúde da mãe e do filho até a adolescência.

“O maior foco das pesquisas até agora sempre foi nas variações de humor típicas desse período, mas os profissionais de saúde também precisam estar prontos para identificar a presença de desordens mentais na gestante”, explica Louise Howard, psiquiatra e autora principal da pesquisa. A ideia dos cientistas é que o trabalho não só reforce a importância dessa investigação, mas aponte um caminho mais simples para ela.

Duas perguntas

O estudo comparou métodos mais complexos de diagnóstico de desordens do tipo com o método de Whooley, que usa apenas duas questões para averiguar se há algum risco para a saúde mental escondido em uma simples tristeza ou comportamento diferente:

  • No último mês, você se sentiu incomodada por estar triste, para baixo ou desesperançosa?
  • No mesmo período, você sentiu menos prazer ou interesse em fazer as coisas que faz geralmente?

Se a resposta para essas perguntas for sim, a recomendação é que o médico apure melhor a situação e, se necessário, encaminhe a gestante para outro profissional, como um psiquiatra ou psicólogo. Mais importante do que isso é, ainda, garantir um espaço seguro para que a mulher possa se abrir e perguntar sobre a saúde mental sem fazer julgamentos.

Diagnosticar precocemente, dar suporte e acompanhar cada caso é a melhor maneira de garantir que mãe e filho tenham uma mente equilibrada e uma vida feliz pela frente.

Fonte: https://bebe.abril.com.br/gravidez/uma-a-cada-quatro-gestantes-sofre-com-problemas-de-saude-mental/

Ansiedade: sintomas, causas, tratamento, tem cura?

A ansiedade faz parte da vida de todos nós e, em certo nível, pode ser considerada saudável. É ela que nos ajuda a ter pontualidade nos compromissos, resolver uma questão que nos preocupa ou fugir de situações arriscadas, por exemplo.

O problema desse estado surge quando ela se torna excessiva e as pessoas passam a se preocupar demais. Tudo começa a parecer mais perigoso, difícil e preocupante, mesmo aquelas coisas que não representam riscos reais.

Mas como saber se sua ansiedade ultrapassou os limites e você precisa ter mais atenção com a sua saúde emocional? Neste post trouxemos informações completas sobre o tema. Aproveite!

O que é a ansiedade? Ela tem cura?

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), o sentimento de ansiedade é a antecipação de alguma ameaça futura. Ela está muito associada ao o medo e gera sensações de tensão.

Além disso, no momento em que sentimos ansiedade começamos a nos comportar com cuidado, buscando fugir da sensação desagradável. Assim, procuramos formas de evitar os ambientes, atividades, pessoas e coisas que nos causam temor.

Em alguns casos, esses estados emocionais acontecem em maior frequência ou persistem por muito tempo. Assim, deixam de ser considerados adaptativos e se tornam sintomas do chamado transtorno de ansiedade.

Para pessoas com essa condição, muitas situações comuns passam a envolver extremo estressee tensão física e psicológica. Andar de ônibus ou fazer uma prova, por exemplo, pode ser um grande desafio neste caso.

Mas a ansiedade é só um tipo de medo?

É importante frisar que a ansiedade é uma resposta emocional provocada pelo medo. Só que o medo clássico, aquele que sentimos quando nos assustamos com um filme, por exemplo, é algo momentâneo que acontece quando identificamos algum perigo.

A ansiedade é diferente. Ela é uma sensação constante de medo em relação ao futuro, é um receio de que algo possa acontecer. Graças a isso, esse estado psíquico não cessa com facilidade, já que não dá para fugir do que o está causando.

Existe motivo para a ansiedade aparecer?

Aaron Beck, psiquiatra e pai da Terapia Cognitiva, em seu livro “Terapia Cognitiva para os Transtornos de Ansiedade” nos mostra que o medo e ansiedade não surgem ao acaso. Eles são fruto da experiência de vida de cada pessoa.

Questões, como a forma de lidar com a família, amigos, trabalho, tarefas de casa e organização de tempo influenciam na maneira em que vivenciamos os medos e a ansiedade.

Além disso, o imediatismo, o excesso de tarefas acumuladas e as cobranças constantes por parte de familiares, colegas de trabalho e supervisores pode, sim, impactar na maneira em que a ansiedade se manifesta.

Qual é o problema desse estado psíquico?

Essa constante sensação de avaliação que vivemos nos faz pensar no futuro a todo momento. Isso tira nosso foco do momento atual e leva a pensamentos como:

  • “E se eu não conseguir aquele emprego?”;
  • “E se eu não comprar aquele carro?”;
  • “E se eu chegar atrasada?”;
  • “E se o chefe me demitir?”.

Todos esses “e se” têm causado muitos sintomas e dificuldades de enfrentar certas situações. Eles levam para nosso corpo todas essas questões externas, gerando um ciclo vicioso de preocupações, estresse, angústias, tristezas, medo e desamparo.

Fonte: https://www.psicologiaviva.com.br/blog/ansiedade/

Aprendendo a lidar com as divergências de gostos e de opiniões

Uma relação de casal surge quando duas pessoas decidem projetar juntas suas vidas. Por isso, é fundamental que o casal edifique uma série de pilares sólidos e robustos sobre os quais possam construir todos os seus projetos em comum. O concreto para estes pilares é a negociação e o acordo, os tijolos são o amor, o respeito e o entendimento.

Por que um relacionamento fracassa?

Com frequência, as relações de casal fracassam porque faltam os pilares do relacionamento, ou seja, porque nunca chegaram a estabelecê-los e, portanto, o casal não possui uma base que lhes dê estabilidade e segurança dentro da relação.

O fracasso, em muitos casos, se deve à falta de um acordo entre ambos os membros da relação, um acordo que estabeleça os pilares. Portanto, muitos relacionamentos fracassam porque a estrutura que supostamente manterá as pessoas unidas como um casal é inexistente; a relação não tem uma base que a sustente.

Quando estabelecer os pilares do relacionamento?

É conveniente que os pilares do relacionamento sejam estabelecidos no início do mesmo, quando as pessoas que o compõem estiverem se conhecendo. Nesse momento, é imprescindível dialogar, conhecer mais profundamente um ao outro e chegar a acordos que satisfaçam a ambos os membros.

Quando é necessário repensar os pilares do relacionamento?

Os pilares do relacionamento equivalem às rodas de um caminhão: se um pilar falhar por algum motivo, é preciso revisar todos os outros, já que a união do casal está em perigo.

Com frequência, o casal ainda continua a se relacionar por um tempo, mesmo com a ausência de algum pilar, mas com a deterioração que isto implica, a relação acaba se rompendo e causando sempre uma ruptura muito dolorosa.

Quais são os 9 pilares fundamentais das relações amorosas?

Falaremos de 9 pilares do relacionamento, mas eles podem ser tantos quantos cada casal considerar adequado. Estabelecer estes pilares mínimos que detalharemos a seguir é fundamental para que o casal possa desfrutar da felicidade no convívio.

1. Amor

O amor é um pilar fundamental, tanto quanto qualquer um dos restantes. Para estabelecer este pilar é imprescindível que existam sentimentos fortes entre as duas pessoas.

Para que o amor seja um pilar forte e seguro temos que saber que, ao longo das diferentes etapas do relacionamento, este irá variando em sua manifestação, no entanto, o sentimento irá se fortalecendo com o passar do tempo se os outros pilares do relacionamento se mantiverem estáveis.

2. Comunicação

comunicação é o canal mediante o qual o casal resolverá suas diferenças e crescerá tomando decisões e chegando a acordos satisfatórios para ambos.

Convém estabelecer momentos exclusivos para que o casal se comunique, compartilhe e decida em conjunto, já que este pilar é imprescindível para que o resto dos pilares do relacionamento se mantenham.

Comunicar-se supõe escutar e expressar sentimentos, um pilar básico para nos conhecermos realmente e potencializarmos a confiança entre os membros da relação.

3. Respeito

O respeito entre ambos os membros da relação está implícito nas relações dos casais que se mantêm por um longo tempo juntos, que crescem e que prosperam de forma feliz.

c.

os pilares do relacionamento

6. Ser você mesmo

Ser membro de uma relação amorosa em nenhuma hipótese supõe deixar der ser você mesmo. Para isso, é conveniente expressar claramente quem se é, quanto aos gostos, opiniões, ideologia, valores individuais, relações sociais, etc.

O relacionamento tem que ser um lugar seguro onde seja possível ser você mesmo, compartilhando com o parceiro/a em certos momentos e, em outras ocasiões, mantendo tempo, espaço e atividades próprias, não compartilhadas com o outro membro da relação.

7. Liberdade

Em qualquer relação de casais emocionalmente saudáveis, a liberdade pessoal segue existindo. Cada membro deve decidir permanecer na relação por vontade própria, como também cabe decidir em conjunto quais serão os pilares do relacionamentoA pessoa não perde a liberdade, ganha uma pessoa com quem compartilhá-la.

8. Sonhos e projetos compartilhados

O casal cresce quando tem projetos e sonhos compartilhados. Quando o casal decide compartilhar projetos e lutar por eles, o sentimento de união entre ambos aumenta, já que descobrem que a união faz a força e que chegam mais longe juntos do que separados.

Caminhar rumo a um projeto pode não ser fácil, mas será muito satisfatório para o casal quando os outros pilares estiverem firmes e contribuírem para a solidez e a segurança do casal.

9. Fidelidade

fidelidade é um acordo e uma forma de viver as relações sexuais e afetivas. Só compete ao casal decidir como quer definir este pilar, sendo condição indispensável que seja um acordo mútuo, com o qual ambos se sintam seguros e com confiança plena no outro.

FONTE: https://amenteemaravilhosa.com.br/os-9-pilares-do-relacionamento/

Alcoolismo na adolescência

Alcoolismo na adolescência

Dr. Ronaldo Ramos Laranjeira é médico psiquiatra, phD em Dependência Química na Inglaterra e professor de Psiquiatria na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de São Paulo. Dr. Mauricio de Souza Lima é médico hebiatra, coordenador do Ambulatório de Filhos de Mães-Adolescentes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e membro da Associação Paulista de Adolescentes e do Departamento de Adolescência da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Para essa reviravolta em relação ao uso de álcool entre os adolescentes, que ocorreu bruscamente de uma geração para outra, concorreram diversos fatores de risco. O primeiro é que o consumo de bebida alcoólica é aceito e até estimulado pela sociedade. Pais que entram em pânico quando descobrem que o filho ou a filha fumou maconha ou tomou um comprimido de ecstasy numa festa, acham normal que eles bebam porque, afinal, todos bebem.

Sem desprezar os fatores genéticos e emocionais que influem no consumo da bebida – o álcool reduz o nível de ansiedade e algumas pessoas estão mais propensas a desenvolver alcoolismo –, a pressão do grupo de amigos, o sentimento de onipotência próprio da juventude, o custo baixo da bebida, a falta de controle na oferta e consumo dos produtos que contêm álcool, a ausência de limites sociais colaboram para que o primeiro contato com a bebida ocorra cada vez mais cedo.

Não é raro o problema começar em casa, com a hesitação paterna na hora de permitir ou não que o adolescente faça uso do álcool ou com o mau exemplo que alguns pais dão vangloriando-se de serem capazes de beber uma garrafa de uísque ou dez cervejas num final de semana.

Não se pode esquecer de que, em qualquer quantidade, o álcool é uma substância tóxica e que o metabolismo das pessoas mais jovens faz com que seus efeitos sejam potencializados. Não se pode esquecer também de que ele é responsável pelo aumento do número de acidentes e atos de violência, muitos deles fatais, a que se expõem os usuários.

Proibir apenas que os adolescentes bebam não adianta. É preciso conversar com eles, expor-lhes a preocupação com sua saúde e segurança e deixar claro que não há acordo possível quanto ao uso e abuso do álcool, dentro ou fora de casa.

EFEITOS METABÓLICOS

Drauzio – Qual é a diferença dos efeitos metabólicos do álcool no corpo dos meninos e das meninas adolescentes?

Ronaldo Laranjeira – A grande diferença é que a mulher tem um padrão enzimático de absorção do álcool mais efetivo e rápido, porque possui relativamente mais gordura e menos água no organismo. Se compararmos uma menina e um menino, com mesma estatura e peso, que tenham ingerido quantidade igual de álcool, veremos que a concentração alcoólica é maior no sangue da menina. Sendo assim, o dano biológico que o álcool produz nela é mais devastador.

Daí, nossa preocupação com essa mudança substancial no padrão de consumo do álcool na adolescência. Estudos considerando a população adulta do Brasil mostram que 50% das mulheres e 30% dos homens não bebem nada. Entre os adolescentes, essa diferença desapareceu em apenas uma geração. Independentemente do sexo, 25% dos adolescentes bebem em quantidades perigosas do ponto de vista biológico. As meninas que estão começando a beber precocemente grandes volumes, com certeza, irão apresentar no futuro mais danos biológicos do que suas mães e seus colegas meninos.

INCENTIVO AO CONSUMO

Drauzio – Ao que você atribui a tendência ao alcoolismo ter-se tornado mais acentuada na adolescência e a das meninas beberem mais do que suas mães?

Maurício de S. Lima – A propaganda dirigida ao público jovem é mais intensa hoje e existem produtos desenvolvidos especialmente para essa faixa etária. Um exemplo são as sodas alcoólicas que, apesar de aparentemente fraquinhas, contêm teor alcoólico muito mais elevado do que a cerveja.

Por outro lado – e outro motivo de grande preocupação –, é alguns pais permitirem que os filhos bebam porque não vêem problema na bebida. A justificativa é que, afinal, todos os adolescentes bebem. Por isso, aceitam como normal o fato de os filhos começarem a consumir álcool cada vez mais cedo. Hoje, é comum os adolescentes se reunirem na casa de um deles para o “esquenta”, ou seja, para beber alguma coisa e chegar meio alcoolizados à festa. Se não for assim, parece que a festa não tem graça.

Ronaldo Laranjeira – É importante destacar essa ideia de que, no Brasil, muitos pais acham normal os garotos de 14 anos beberem grandes volumes. Isso não acontece em países como os Estados Unidos, por exemplo, onde 21 anos é a idade mínima que a pessoa precisa ter para comprar bebida alcoólica, porque se chegou à conclusão de que o consumo precoce de álcool, além de aumentar o risco de acidentes, facilita o uso de outras drogas.

E lá a lei não ficou só no papel. Seu cumprimento passou a ser rigorosamente acompanhado por fiscais que controlam a venda de bebida para menores. Nos últimos 20 anos, graças a essa fiscalização efetiva, caiu muito o número de acidentes relacionados com o “beber e dirigir” naquele país.

CONTROLE DO CONSUMO

Drauzio – No Brasil, não existe nenhum tipo de controle. Moro no centro de São Paulo, bem perto de um grande colégio, na frente do qual funciona um supermercado. Frequentemente de manhã, quando saio de casa, vejo um grupo de alunos do segundo grau, portanto entre 14 e 17 anos, tomando cerveja na porta do supermercado. É óbvio que conseguiram comprar cerveja apesar da pouca idade.

Ronaldo Laranjeira – Uma pesquisa realizada por nossa equipe em Diadema e Paulínia, duas cidades paulistas, mostrou que os entrevistadores adolescentes conseguiram comprar bebida alcoólica em 95% dos estabelecimentos visitados (mundialmente, a taxa aceitável é de 10%), o que denota total descontrole da situação.

Na verdade, vivemos num mercado descontrolado, estrategicamente favorecido pela indústria do álcool. No Brasil, há um milhão de pontos de venda de álcool, um para cada 180 mil habitantes, a propaganda é bastante intensa, o preço é baixo e prevalece a falta de controle sobre a comercialização da bebida para menores de idade.

Drauzio – O custo da bebida alcoólica também tem papel importante no alcoolismo.

Ronaldo Laranjeira – Sem dúvida, o preço baixo é um dos fatores que facilitam o consumo de álcool pelos adolescentes. Nas reuniões da Organização Mundial de Saúde, quando se fala que, no Brasil, um litro de pinga custa meio dólar e a latinha de cerveja, menos do que a de coca-cola, ninguém acredita. Outro fator de risco importante é a ausência de controles sociais que ajudem as pessoas a beber menos ou a retardar o começo do beber regular que, no nosso país, ocorre em torno dos 14 anos.

Maurício de S. Lima – Já que estamos falando em controles sociais, é fundamental destacar que eles devem começar em casa. Muitos pais dão mau exemplo, quando se vangloriam de que secaram uma garrafa de uísque ou não sei quantas latinhas de cerveja no fim de semana. Os filhos chegam à adolescência ouvindo isso de uma pessoa que lhes serve de referência, o que de certa forma acaba incentivando-os a consumir álcool.

Sempre vale a pena repetir também que, se a bebida alcoólica traz prejuízos para o adulto, prejudica muito mais o corpo ainda em formação do adolescente. A época do estirão puberal, por exemplo, é extremamente contra-indicada para o contato com o álcool, uma substância tóxica que se distribui por todos os órgãos do organismo.

Drauzio – Você poderia explicar o que é o estirão puberal?

Maurício de S. Lima – É a famosa espichada que ocorre na adolescência. A criança cresce num determinado ritmo, que é acelerado quando chega a puberdade. Nessa fase de crescimento rápido, o contato com o álcool é muito prejudicial para o organismo. Isso para não falar no aumento do número de acidentes que seu consumo provoca nessa e em qualquer outra faixa de idade.

Drauzio – Na verdade, o álcool é tóxico em qualquer dose.

Ronaldo Laranjeira – É tóxico em qualquer dose; a diferença está só na intensidade dos efeitos tóxicos. Doses mais baixas têm menos toxicidade do que as mais altas, o que não quer dizer que, consumido em pequenas quantidades, o álcool deixe de trazer danos biológicos para as mulheres grávidas e para os adolescentes, por exemplo. Traz, sim, embora a propaganda se encarregue de fazer as pessoas se esquecerem do componente tóxico do álcool, principalmente durante o crescimento, quando não só o corpo, mas também o cérebro se desenvolve numa velocidade espantosa.

No Brasil, a maioria dos adolescentes ainda não bebe, mas os que bebem, bebem muito e com picos de consumo. Embora pouco se fale, esse padrão de consumo – a pessoa não bebe nada durante a semana, mas no fim de semana bebe cinco vodcas ou dez cervejas -, do ponto de vista biológico, é muito danoso para o organismo.

Maurício de S. Lima – É bom pensar que para conseguir beber cinco vodcas ou dez cervejas num dia, antes o adolescente começou por uma bebida que eles chamam de “light”, mas que nada tem de “light”, em casa ou numa festa.

A questão é que, atualmente, festa de adolescentes sem bebida alcoólica parece que não tem graça. Já vi muitos deles insistindo – “Pai, se na minha festa não tiver alguma coisa para beber, meus amigos não vão”, isso aos 13 anos e não aos 17, 18 anos. Conheço um pai que acabou cedendo e permitiu que servissem uma bebida fraquinha na festa do filho. Mesmo assim, um dos convidados exagerou na dose e passou mal. No dia seguinte, o pai desse garoto foi reclamar na escola da irresponsabilidade do outro que tinha oferecido bebida para quem não estava acostumado e não sabia qual era o momento de parar.

Drauzio – O que você acha que os pais devem fazer quando o adolescente insiste nesse ponto?

Maurício de S. Lima — Não devem dar a festa com bebida alcoólica.

Ronaldo Laranjeira – Temos de acreditar nas leis e respeitá-las. No Brasil, o Estatuto da Criança e do Adolescente deixa claro que é proibido oferecer até os 18 anos qualquer tipo de substância que aja no cérebro da criança. Então, os pais que, em sua casa ou numa festa, permitem servir bebida alcoólica para adolescentes estão infringindo a lei do país.

CONHECENDO LIMITES

Drauzio – O álcool é uma droga socialmente aceita. Como o pai pode ajudar o filho a conhecer seus limites?

Ronaldo Laranjeira – Em casa, em situações familiares bem definidas, mesmo o filho sendo menor, o pai pode ensiná-lo a beber. Aliás, isso foi sempre feito assim. Nas culturas mediterrâneas, as crianças aprendem a beber nas cerimônias de família, como parte de um ritual. No almoço de domingo, por exemplo. Entretanto, nesse contexto alimentar harmonioso, que inclui o vinho, a intoxicação alcoólica é condenada.

Muito diferente é o pai permitir que na festa do filho crianças de 13, 14 anos bebam com o objetivo de intoxicar-se. Porque querem bebidas destiladas para ter um “barato”, não são poucos os adolescentes desistem de participar das festas, quando o convidado principal – o álcool – não está presente,

Maurício de S. Lima – Muitos pais perguntam se o filho não ficará frustrado se não houver bebida alcoólica na sua festa. Se ficar, não tem importância. Frustração faz parte da vida. Eu mesmo fico frustrado todos os dias, às vezes, várias vezes no mesmo dia. Portanto, ótimo que o filho se sinta frustrado num ambiente em que o assunto pode ser ventilado e discutido. Essa é uma forma que ele tem de aprender a lidar com as frustrações que, sem dúvida alguma, terá de enfrentar em muitos outros momentos da vida. O problema é que a relação pais e filhos está mais difícil, porque os filhos estão se tornando cada vez mais exigentes e os pais, com mais dificuldade de dizer não.

Drauzio – Na verdade, os pais se sentem inseguros porque, se proibirem o filho de beber em casa, ele podem beber escondido na rua; se não deixarem que sirvam bebida na sua festa, ele beberá nas outras a que for convidado.

Ronaldo Laranjeira – Dentro de casa deve existir um padrão de comportamento baseado naquilo que os pais acreditam. Fora de casa, eles têm de buscar um tipo de ambiente que os filhos possam frequentar e não devem tolerar que nesses locais haja descontrole no consumo de álcool.

Aliás, como cidadãos, os pais devem pressionar as autoridades para que medidas eficazes sejam tomadas nesse sentido. Foi o que aconteceu nos Estados Unidos e em outros países desenvolvidos e democráticos que criaram leis rígidas sobre o uso do álcool por adolescentes.

Na minha opinião, faz parte do processo democrático contar com uma sociedade preocupada em proteger seus membros, em especial os mais vulneráveis como são os dessa faixa de idade, já que cada vez mais eles estão indo para longe de casa. Antes as famílias exerciam controle maior sobre os lugares que os filhos frequentavam. Eles saiam, mas ficavam a dois quarteirões de distância. Agora, vão para o outro lado da cidade. A sociedade se sofisticou nas opções de lazer oferecidas aos adolescentes. Por isso, repito, é papel dos pais, como cidadãos, lutar por uma política de fiscalização nos ambientes que os filhos costumam frequentar.

Maurício de S. Lima – Os pais devem conversar com os filhos adolescentes e fazer a distinção entre duas condutas absolutamente diferentes: beber um cálice de vinho no contexto familiar, como parte de um ritual, e beber com o objetivo de ficar embriagado para a festa ter graça, por exemplo. Essa postura de diálogo em casa a respeito das preocupações paternas talvez seja a única coisa a fazer para que, na hora de tomar uma decisão diante da oferta de bebida alcoólica, os filhos pensem antes de agir e não ajam sem pensar.

Drauzio – Meu pai só tinha certezas. Eu nunca pude beber em casa antes dos 18 anos. Não se discutia, era proibido e pronto! Os pais de hoje têm muitas dúvidas quanto à melhor forma de educar os filhos. Como essa hesitação se reflete na vida dos adolescentes?

Maurício de S. Lima – Ela é péssima para os adolescentes. Eles se sentem mais seguros, quando os limites são colocados com clareza pelos pais. Podem até discordar, podem reclamar, o que normalmente acontece, mas depois refletem e acabam concluindo que foi bom terem sido alertados sobre determinadas situações de risco ou que foi bom o pai ter sido rígido exigindo respeito a certos princípios.

Atualmente, muitos pais chegam a consultar os filhos sobre o que acham conveniente fazer em determinadas situações, quando cabe a eles e não aos filhos a iniciativa de achar a melhor resposta para o problema.

No tempo de nossos pais ou avôs, bastava um olhar para os mais novos entenderem o que os mais velhos queriam. Hoje, ganhamos muito com a possibilidade do diálogo entre pais e filhos para chegarmos a um consenso. Entretanto, em assuntos como o do álcool, esse meio-termo não existe: os limites têm de ser colocados com firmeza. Na maioria dos casos, infelizmente, não é isso que os pais estão fazendo no momento.

Ronaldo Laranjeira – Sob esse ponto de vista, há dois parâmetros a considerar. O primeiro são os valores da família. Se os pais acham que o filho não deve ser iniciado no álcool antes dos dezoito anos ou que por motivos religiosos não deve beber, têm de deixar claro os limites impostos. O outro diz respeito à segurança. O adolescente precisa saber que beber fora de casa implica risco maior de sofrer vários tipos de acidentes e atos violentos. Há estudos categóricos provando isso. Portanto, mesmo abertos ao diálogo, em relação à segurança dos filhos não cabe discussão: os pais não devem autorizar que bebam fora de casa.

Maurício de S. Lima – Os pais não hesitam ao proibir que a criança pequena entre na cozinha quando há panelas sobre o fogão ou ande por locais perigosos. Da mesma forma que colocam telas na janela para evitar que caiam, precisam colocar “telas” emocionais para que o adolescente não se lance em situações perigosas, haja vista que os acidentes são a primeira causa externa de morte nessa faixa de idade, especialmente os acidentes relacionados com o consumo de álcool.

DEPENDÊNCIA

Drauzio – Normalmente, a dependência do álcool leva anos para estabelecer-se. Mesmo assim, é possível o adolescente tornar-se dependente?

Ronaldo Laranjeira — De fato, a dependência do álcool leva anos para estabelecer-se. Porém, um artigo publicado há pouco tempo no “Pediatrics” mostrou que  a exposição precoce à bebida alcoólica na adolescência aumenta muito a probabilidade de a pessoa tornar-se dependente.

Expor o cérebro em formação, principalmente no estirão da puberdade, à bebida alcoólica faz com que o jovem valorize o prazer químico do álcool e passe a usá-lo regularmente. Por isso, se comparada com a dos adultos que é de 11%, a prevalência do alcoolismo é baixa na adolescência, gira em torno de 2%, 3%. Mas, se levarmos em conta que os adolescentes estão começando a beber cada vez mais cedo, com certeza, as taxas de dependência do álcool vão subir muito nessa população de jovens que começou a beber cedo.

Drauzio – O que você chama de alcoolismo?

Ronaldo Laranjeira – Existem três padrões de consumo de bebida alcoólica. O padrão de baixo risco para os adultos é beber um ou dois copos de vinho, ou o equivalente em teor alcoólico, por dia. A maioria das pessoas tolera esse nível de toxicidade do álcool e não paga um preço biológico alto. Há quem diga até que esse padrão de consumo tem efeitos positivos.

Se beber mais do que isso, porém, estará fazendo uso nocivo do álcool, embora ainda possa não ser dependente. A dependência se caracteriza pelo uso regular de álcool em grandes volumes. Esse procedimento indica que a pessoa já se tornou tolerante e não bebe mais pelos efeitos agradáveis que a bebida possa provocar. Bebe porque precisa. Se não o fizer, fica irritada. Quem se vangloria de beber cinco doses de vodcas, de uísque ou dez latinhas de cerveja sem ficar bêbado já demonstra sinais de dependência porque pode expor o organismo a grandes volumes sem alterar o comportamento.

FATORES DE RISCO

Drauzio – Existem fatores de risco para o alcoolismo na adolescência?

Mauricio de S. Lima – Existem, sim, para o alcoolismo e para a dependência de qualquer outra droga. Existem até características que são geneticamente transmitidas, mas nem todos os que as possuem se tornam dependentes. Como Dr. Ronaldo falou, há pessoas que bebem e param sem criar dependência. A grande questão, porém, é que é impossível saber quem irá tornar-se dependente no futuro. Ninguém pode correr esse risco com os adolescentes, sobretudo porque nessa fase da vida, eles são tomados por um falso sentimento de onipotência: acham que tudo podem e que, portanto, pararão de beber quando quiserem. Outro fator que pesa muito é pertencer a uma turma em que todos bebem.

É importante destacar, ainda, que alguns adolescentes estão mais propensos a desenvolver esse tipo de comportamento. Vão a festas porque tem bebida e não por qualquer outro prazer que ela possa proporcionar.

Talvez, daqui a alguns anos, consigamos mapear essa tendência e alertar o jovem para que não entre em contato com determinadas substâncias porque, geneticamente, a probabilidade de tornar-se dependente é grande. Como não dominamos esse conhecimento ainda, a questão do álcool na adolescência deve ser tratada com muita cautela.

Drauzio – O adolescente que bebe está mais propenso a usar outras drogas?

Ronaldo Laranjeira – Disso ninguém tem dúvida. Uma das evidências mais consistentes na literatura médica é que o uso de álcool ou de cigarro antes dos 16, 17 anos aumenta muito o risco de experimentar maconha e, depois, partir para outras drogas.

Fonte: https://drauziovarella.uol.com.br/drogas-licitas-e-ilicitas/alcoolismo-na-adolescencia/

Eletrochoque: mentiras e verdades que você precisa saber.

A eletroconvulsoterapia é o tratamento biológico mais eficaz contra depressão resistente, com reconhecida segurança. Mas seu seu uso permanece restrito

eletroconvulsoterapia (ECT), antigamente conhecida como eletrochoque, é um tratamento clínico psiquiátrico que envolve a indução de uma crise convulsiva por meio de uma corrente elétrica. Embora outras formas de produção de convulsão tenham sido usadas no passado, em 1938 os neuropsiquiatras italianos Ugo Cerletti e Lucio Bini consolidaram a ideia de usar a eletricidade para estimular uma convulsão no tratamento de condições psiquiátricas.

EM CHOQUE - Setenta sessões de eletroconvulsoterapia, o ECT, são realizados no Bairral a cada mês

EM CHOQUE – Setenta sessões de eletroconvulsoterapia, o ECT, são realizados no Bairral a cada mês (Egberto Nogueira/Ímã Foto Galeria/VEJA)

A ECT foi usada inicialmente em quadros graves de esquizofrenia, sendo que mais tarde se mostrou extremamente útil no tratamento de transtornos afetivos, em especial na depressão. Porém, apesar de ser o tratamento biológico mais eficaz no tratamento da depressão, limitado ao uso em casos refratários aos medicamentos, com reconhecida segurança (ver abaixo), o seu uso na psiquiatria moderna permanece relativamente restrito, por diversas causas. A maioria pouco nobres.

Eletroconvulsoterapia e arte: baseado em fatos reais ou obra de ficção?

No imaginário popular, ECT é classicamente associada a tortura, dor e como uma forma desumana de castigo e punição. Esta perspectiva, em grande parte, foi moldada ao longo dos anos por meio de filmes, que provavelmente ajudaram a formar as opiniões de milhões de espectadores em relação a este procedimento.

Um recente artigo que revisou as cenas de ECT apresentadas em filmes e séries de TV desde 1948, concluiu que este procedimento é quase que unicamente retratado como uma metáfora para repressão, controle da mente e do comportamento e sem nenhum benefício terapêutico.

Como Edward Shorter proferiu: “a ECT se presta a uma belíssima dramatização cinematográfica”. De fato, se o personagem R.P. McMurphy de Um Estranho no Ninho (Miloš Forman, One Flew Over the Cuckoo’s Nest, 1975) não tivesse recebido a ECT apresentada daquela forma – desumana, abusiva e sem anestesia – talvez Jack Nicholson não recebesse o Oscar de melhor ator e o filme não teria o mesmo sucesso. O impacto da cena retratada obviamente só aprofundou o estigma associado a ECT.

Diferentemente do apresentado neste e em outros filmes, o uso da moderna ECTenvolve:

  • (i) uma avaliação clínica prévia muito cuidadosa (incluindo diversos exames clínicos, de imagem e laboratoriais);
  • (ii) indução anestésica (não, ECT não doi!);
  • (iii) uso de relaxantes musculares para garantir que a crise seja leve e,
  • (iv) um período de recuperação pós-anestésico.

tratamento pode ocorrer em um hospital ou instituição psiquiátrica em regime de internação integral ou ainda em nível ambulatorial, dependendo da gravidade. É necessário o consentimento por escrito do paciente (eventualmente também dos familiares) para a sua realização. Envolve de duas a três sessões semanais (em um total de seis a 12), ao longo de duas a quatro semanas.

O principal efeito adverso que pode ocorrer durante o período de tratamento da ECT, é o prejuízo da memória, eventualmente com duração de alguns meses em alguns poucos pacientes. Por este motivo, a ECT é reservada como última opção, particularmente em pacientes com “depressão resistentes ao tratamento” ou em casos mais graves com sintomas psicóticos e/ou ideação suicida.

Entretanto, diferentemente do que se imagina, a ECT não causa nenhum dano cerebral, não “queima neurônio” e, na verdade, pode prevenir alterações no funcionamento e estrutura do cérebro sabidamente causadas pelo curso crônico da depressão.

O que você prefere: tomar um eletrochoque ou uma aspirina?

Ainda em termos de segurança, a ECT apresenta risco de mortalidade muitíssimo baixo (entre uma e quatro mortes por 100.000 tratamentos), ou seja, o mesmo risco de se submeter a anestesia. Para fins de comparação, a literatura demonstra que tomar uma aspirina por dia para prevenir doenças cardiovasculares representa um risco de 10,4 mortes por 100.000 ao ano em homens de meia idade. Ou seja, o uso crônico deste analgésico, é quase tão perigoso, embora muitíssimo baixo, quanto dirigir um carro ou trabalhar como bombeiro.

Também cabe lembrar que a taxa de suicídio no Brasil é maior que o risco da ECT, de seis por 100.000 habitantes (entre pacientes com depressão, obviamente esta taxa é ainda mais elevada). Então, acredite, a ECT atualmente é um procedimento muito seguro.

O eletrochoque é o método mais eficaz de tratamento da depressão e salva vidas

Organização Mundial de Saúde classifica a depressão entre as doenças mais debilitantes para a sociedade, com redução na qualidade de vida e enormes custos individuais e sociais. De modo particular para o subgrupo de pacientes com “depressão resistente ao tratamento” (aqueles que deveriam receber a ECT), os efeitos são ainda mais graves, com perda da qualidade de vida, incapacidade para o trabalho, presença de comorbidades clínicas e psiquiátrica e o aspecto mais assustador, – taxas muito maiores de suicídio.

Mais do que 80% dos pacientes com depressão remitem completamente do quadro com o uso da ECT (nenhum medicamento ou psicoterapia chega nem perto disto). Entretanto, o que mais impressiona é que a ECT melhora até 60% dos pacientes que NÃO responderam ao uso de vários medicamentos (combinados ou isoladamente) ou a psicoterapia.

Dessa forma, considerando que a prevalência de depressão ao longo da vida no Brasil é de cerca de 17% (ou 35 milhões de pessoas) e que 30% desses casos não respondem a quatro ou mais tentativas farmacológicas adequadas, teríamos o gigantesco número de 10,5 milhões de pacientes que necessitariam fazer ECT.

Assim, mesmo usando taxas conservadoras, considerando a resposta nesta população (60%), cerca de 6 milhões de pessoas com depressão crônica, grave e debilitante – taxas compatíveis com as relatadas mundialmente – poderiam estar vivendo uma vida próxima ao normal com o uso do ECT.

O eletrochoque, ideologia e as políticas de saúde pública no Brasil

Hoje já é consenso que a assistência não pode ser centrada nos antigos manicômios. Porém é imprescindível termos à disposição modernos e adequados tratamentos psiquiátricos. Assim, em termos de política de saúde pública poderíamos imaginar que o procedimento mais eficaz no tratamento de uma das doenças mais prevalentes e impactantes como a depressão deveria ser prioritária, especialmente no Sistema Único de Saúde (SUS). Mas não, aqui o que ocorre é justamente o contrário.

A psiquiatria vigente no SUS tem uma forte influência do auto-denominado “Movimento da Luta Anti-manicomial” (inspirado no movimento italiano La Lotta Antimanicomiale), também com viés ideológico e que nega a psiquiatria de modo geral. A Lei Paulo Delgado (2001/10.216) consolidou o redirecionamento de recursos do SUS e neste contexto, não remunera os hospitais pela realização da ECT. E vai além….para pior! As regras do Programa Nacional de Avaliação dos Serviços Hospitalares (PNASH) premiam os serviços psiquiátricos que NÃO realizam a ECT. Ou seja, os serviços que fazem este procedimento no SUS, além de não serem remunerados, são penalizados. Uma distorção!

Qual o impacto desta política pública vigente sobre o uso da ECT no Brasil?

Basicamente, a disponibilidade desta moderna terapêutica é nula fora de grandes metrópoles ou centros universitários mais especializados. Mais da metade dos estados do Brasil não possui serviços de ECT, seja privado ou público. Assim, o resultado desta política é que milhões de pessoas que teriam a chance de estar bem, estão desassistidas e não tem acesso ao tratamento mais eficaz. Isto é especialmente mais impactante para os mais pobres, cujo acesso a informação ao sistema de saúde é limitado e não possuem recursos financeiros para obter um tratamento de ECT privado.

O modelo de assistência psiquiátrica deveria estar distante de vieses ideológicos, do corporativismo e de discursos obtusos, genéricos, sem respaldo científico e bem longe de contaminações do senso comum e do imaginário que influenciou toda uma cultura urbana. Mas a cegueira vigente não permite observar que a ECT, um outrora outsider, hoje é o mainstream da moderna terapêutica psiquiátrica.

Dessa forma, a consequência é que milhões vão continuar sofrendo e muitos morrendo como resultado da política de saúde mental no país. É chocante, com o perdão do jogo de palavras, mas a solução está logo ali….

* Agradeço ao Prof. Dr. André Russowsky Brunoni, do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, por várias informações essenciais para elaboração deste texto.

Fonte: https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/eletrochoque-mentiras-e-verdades-que-voce-precisa-saber/?fbclid=IwAR1sWlSw4Feg90HnBkUKaHPki1e0RBYMJoreqNjsnfJEXBFEi4ARbA0XGVQ